Projeto C.I.D.A

Centro de Intervenção e Desenvolvimento de Autistas & síndromes correlatas

Como diagnosticar o autismo?

            Diagnóstico

Para o diagnóstico do autismo, deverá ser utilizado  um amplo protocolo de avaliações de preferência multidisciplinares (neurologista, pediatra, psicóloga, fonoaudióloga dentre outros), bem como a realização de exames não para a detecção do autismo, mas para identificação de outros quadros que com frequência se associam ao autismo. É comum para este fim a realização de avaliação auditiva, análise bioquímica para erros inatos do metabolismo, exames de cariótipo, eletroencefalograma, ressonância magnética de crânio, além de outros.

A avaliação neuropsicólogica tem sido indicada pois comumente utiliza-se de instrumentos de investigação específicos para o autismo, como por exemplo as escalas: CARS. PEP-R,IDEA,etc.

Existem também as orientações diagnósticas presentes nos dois instrumentos internacionais:

•DSM-IV: Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais

•CID-10: Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados

Diretrizes diagnósticas para autismo infantil de acordo com o CID-10

Fonte: OMS – Organização Mundial de Saúde

(Classificação dos transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre, Artes Médicas, 1993. (WHO, 1992) (WHO – World Health Organization / Organização Mundial de Saúde)

Transtorno invasivo do desenvolvimento definido pela presença de desenvolvimento anormal e/ou comprometido em todas as três áreas de interação social, comunicação e comportamento restrito e repetitivo. Manifesta-se antes dos três anos de idade e ocorre três a quatro vezes, mais em meninos.

a) Comprometimentos qualitativos na interação social recíproca:

• Apreciação inadequada de indicadores sócio-emocionais, como demonstrada por uma falta de respostas para as emoções de outras pessoas e/ou falta de modulação do comportamento de acordo com o contexto social;

• Uso insatisfatório de sinais sociais, emocionais e de comunicação e, especialmente, uma falta de reciprocidade sócio-emocional;

b) Comprometimentos qualitativos na comunicação:

• Falta de uso social de quaisquer habilidades de linguagem que estejam presentes; Comprometimentos em brincadeiras de faz-de-conta e jogos sociais de imitação;

• Pouca sincronia e falta de reciprocidade no intercâmbio de conversação;

• Pouca flexibilidade na expressão da linguagem e uma relativa ausência de criatividade e fantasia nos processos de pensamento; Falta de resposta emocional às iniciativas verbais e não-verbais de outras pessoas;

• Uso comprometido de variações na cadência ou ênfase para refletir modulação comunicativa e uma falta similar de gestos concomitantes para dar ênfase ou ajuda na significação na comunicação falada.

c) Padrões de comportamento, interesses e atividades restritos, repetitivos e estereotipados:

• Tendência a impor rigidez e rotina a uma ampla série de aspectos do funcionamento diário, usualmente isto se aplica tanto a atividades novas quanto a hábitos familiares e a padrões de brincadeiras;

• Particularmente na primeira infância, pode haver vinculação específica a objetos incomuns, tipicamente não-macios;

• Pode insistir na realização de rotinas particulares e rituais de caráter não-funcional;

• Pode haver preocupações estereotipadas com interesses tais como datas, itinerários, ou horários;

• Freqüentemente há estereotipias motoras; um interesse específico em elementos não-funcionais de objetos (tais como o cheiro e o tato);

• É comum e pode haver resistência à mudança na rotina e em detalhes do meio ambiente pessoal (tais como as movimentações de ornamentos ou móveis da casa).

Além dos aspectos diagnósticos específicos descritos acima, é freqüente a criança com autismo mostrar uma série de problemas não-específicos, tais como:

-Medo/fobias, perturbações de sono e alimentação, ataques de birra e agressão;

-A autolesão (p. ex. morder o punho), é bastante comum, especialmente quando há retardo mental grave associado;

-A maioria dos indivíduos com autismo carece de espontaneidade, iniciativa e criatividade na organização de seu tempo de lazer e tem dificuldade em aplicar conceitualizações em decisões de trabalho (mesmo quando as tarefas em si estão à altura de sua capacidade);

-A manifestação específica dos déficits característicos do autismo muda à medida que as crianças crescem, mas os déficits continuam através da vida adulta com um padrão amplamente similar de problemas de socialização, comunicação e padrões de interesse.

- Todos os níveis de QI podem ocorrer em associação com o autismo, mas há um retardo mental significativo em cerca de três quartos dos casos.

Diretrizes diagnósticas para autismo infantil de acordo com o DSM-IV

Para seu diagnóstico, pelo DSM – IV (1996) são necessários:

A. Um total de seis (ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois de (1), um de (2) e um de (3):

(1) prejuízo qualitativo na interação social, manifestado por pelo menos dois dos seguintes aspectos:

(a) prejuízo acentuado no uso de múltiplos comportamentos não-verbais, tais como contato visual direto, expressão facial, postura corporal e gestos para regular a interação social.

(b) fracasso em desenvolver relacionamentos com seus pares apropriados ao nível de desenvolvimento.

(c) falta de tentativa espontânea de compartilhar prazer, interesses ou realizações com outras pessoas ( por ex.: não mostrar, trazer ou apontar objetos de interesse).

(d) falta de reciprocidade social ou emocional.

(2) prejuízos qualitativos na comunicação, manifestados por pelo menos um dos seguintes aspectos:

(a) atraso ou ausência total de desenvolvimento da linguagem falada (não acompanhado por uma tentativa de compensar através de modos alternativos de comunicação, tais como gestos

ou mímica).

(b) em indivíduos com fala adequada, acentuado prejuízo na capacidade de iniciar ou manter uma conversação.

(c) uso estereotipado e repetitivo da linguagem ou linguagem idiossincrática.

(d) falta de jogos ou brincadeiras de imitação social variados e espontâneos, apropriados ao nível de desenvolvimento.

(3) padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades manifestados por pelo

menos um dos seguintes aspectos:

(a) preocupação insistente com um ou mais padrões estereotipados e restritos de interesse, anormais em intensidade ou foco.

(b) adesão aparentemente inflexível a rotinas ou rituais específicos e não-funcionais.

(c) maneirismos motores estereotipados e repetitivos (por ex.: agitar ou torcer mãos ou dedos, ou movimentos complexos de todo o corpo).

(d) preocupação persistente com partes de objetos.

B. Atrasos ou funcionamento anormal em pelo menos uma das seguintes áreas, com início antes dos 3 anos de idade:

(1)interação social

(2) linguagem para fins de comunicação social, ou

(3) jogos imaginativos ou simbólicos.

C. A perturbação não é melhor explicada por

transtorno de Rett ou transtorno. Desintegrativo

da infância.

—————————————————————————————

Ressaltamos que o Diagnóstico é multidisciplinar, deve ser feito por profissionais gabaritados e de preferência com experiência em Autismo.

Estes indicadores apenas podem confirmar suspeitas e direcionar as ações da família.

___________________________________________________


2 respostas para “Como diagnosticar o autismo?

  1. Evania Calheiros de Oliveira disse:

    Fico feliz em saber que mais pessoas capacitadas, estão comprometidas com esse tema “Autismo”. Sou Musicoterapeuta e já desenvolvo terapias há aproximadamente 20 anos. Gostaria de receber sempre via e-mail(eco70@oi.com.br), mais informações, pois temos uma equipe multidisciplinar em nossa Instituição e seria interessante, que em nossas reuniões mensais, pudéssemos aproveitar vossos esclarecimentos, para torná-las mais proveitosas. Não temos site. Nossa Instituição se chama AFESP(Associação Fluminense de Educação Especial), fica em Mesquita, RJ, e lutamos com o preconceito das pessoas que ainda não conhecem esse tema. Rogamos a Deus que os proteja e abençoe rica e poderosamente. Meu abraço fraterno para toda a equipe.

    • cidaautismo disse:

      OLA EVANIA,

      OBRIGADA PELAS BELAS PALAVRAS!!!
      REALMENTE É MUITO BOM SABER QUE TEM PESSOAS TAMBÉM COMO VCS COM ESSE ESPÍRITO E CONSCIÊNCIA DE LIVRAR O MUNDO DA IGNORÂNCIA E PRECONCEITO.
      ESTAMOS, EU E MINHA EQUIPE, DISPONÍVEIS PARA SUAS REUNIÕES MENSAIS OU QQ OUTRA AJUDA QUE POSSAMOS DAR.
      ENVIAREI AO SEU EMAIL, O CURSO QUE OFERECEREMOS AGORA EM MARÇO.

      ABRAÇOS,
      ELAINE ORNELLAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: